quarta-feira, 26 de abril de 2017



Não vou mentir. Sou uma pessoa de fases. A fase mais ansiosa, da escrita frenética, dos planos sem fim, de sorrisos e choros desmedidos, dos punhos fechados prontos para lutar contra a vida.
Depois existe a fase depressiva, uma ansiedade desmotivada, o cair de um sonho, um vazio. Um coração que não consegue chorar, sorrir ou lutar. Um querer estar só, na minha concha, longe do mundo.
E depois do descanso, chega a serenidade, sempre algo ansiosa (a ansiedade está sempre presente) mas feliz. Um confiar no mundo, uma paz que não se abala perante os tropeços do dia a dia. Um sorriso sincero, um coração que sofreu, lutou, amou. Um coração que viveu.
Todas as fases são minhas, todas as fases sou eu.


terça-feira, 25 de abril de 2017



Para hoje (e todos os dias):



Agradecer


                              * a liberdade!